• banner2018.jpg
  • bannerSItePSDMconselhoOut2017_5.jpg
  • bannerSItePSDMconselhoOut2017_1.jpg

A presidente da Concelhia do PSD/Santa Cruz acusou hoje o partido Juntos Pelo Povo de ser "um logro" naquele concelho. "Esse logro é por demais evidente nos frequentes desentendimentos e demissões entre dirigentes do JPP neste concelho", afirma Vânia Jesus, garantindo que que não se fica por aí.

A autarca social-democrata sublinha que "os factos são indesmentíveis e verificáveis", salientando que quatro deputados municipais já passaram a independentes, um presidente de Junta ficou com mandato suspenso, um presidente de assembleia municipal foi obrigado a renunciar ao mandato oito membros da assembleia de freguesia do Caniço querem desvincular-se, um membro diz-se arrependido de ter saído de um outro partido político e há ainda a ameaça de eleições intercalares. E estes, reforça Vania Jesus, "são apenas os casos tornados públicos".

Perante este cenário, o PSD/Santa Cruz apenas deseja que o partido JPP "se preocupe mais com as pessoas e com as instituições e que se deixe de quezílias internas e de protagonismo entre intervenientes, dedicando-se àquilo para o qual foi efectivamente mandatado: governar o Concelho".

Vânia Jesus lembra que quase três anos depois da eleição e do "anúncio da chegada do paraíso, não há, na realidade, nada de realce ou que se registe de positivo em Santa Cruz: ora são obras que não se realizam porque se deixam passar prazos (dizem que não têm 200 mil euros para pagar o IVA destas obras, mas têm, curiosamente, 600 mil euros para pagar a escritórios de advogados), ora são as instituições e clubes desportivos deixados ao abandono porque não têm qualquer apoio camarário, ora são as acções em tribunal para o povo pagar, ora são as taxas e as taxinhas turísticas inventadas para afugentar a clientela, ora é a falta de limpeza generalizada, ora são estas lutas fratricidas (e permanentes) internas".

Por isso, a autarca sublinha que "os santacruzenses merecem mais e melhor", reiterando que "apublicidade enganosa que se faz nos jornais não apaga estas necessidades".