• bannerSitePSDMconclusoes.jpg
  • bannerNewsPSD9nov.jpg
  • bannerSitePSDM23mar2018rui.jpg

O Secretário-geral do PSD/Madeira, Rui Abreu, reagiu à notícia sobre o recuo do Governo da República nas ajudas prometidas à Madeira, por meio do fundo de coesão, para fazer face aos incêndios de agosto de 2016, através de comunicado, que refere o seguinte:

1- Hoje, os madeirenses tiveram mais uma prova de que a palavra dada pelo Primeiro-Ministro António Costa não é garantia de nada e de que as promessas que faz podem ser verdade hoje, mas amanhã já não o são.
2- Tem sido assim com todo o processo do novo hospital, com os juros da dívida que são “injustos”, como o próprio Primeiro-Ministro já o reconheceu, o que não o impediu de os usar para fazer chantagem com os madeirenses, e em muitos outros assuntos relevantes para a Madeira, mas que dependem de uma ação do Governo da República.
3- E volta a ser assim em matéria das ajudas prometidas para fazer face aos incêndios de agosto de 2016.
4- Na visita de trabalho realizada por António Costa, ainda o fumo pairava no ar, o Governo da República assumiu o compromisso de reforçar as verbas afetas à Madeira pelo Fundo de Coesão Europeu em 30,5 Milhões de euros, sobretudo para atender à necessidade de garantir a estabilidade e segurança de várias encostas e taludes sobranceiros a estradas regionais e municipais e a aglomerados habitacionais.
5- Mas, pasme-se (ou não), mais uma vez o Governo dá o dito pelo não dito, mudando de ideias como quem troca de roupa.
6- Na altura dos incêndios, encheu-se a boca de palavras de solidariedade para com os madeirenses, mas na hora de concretizar essa solidariedade, o Governo da República volta novamente as costas à Madeira, numa atitude lamentável e inqualificável.
7- Isto numa matéria de extrema relevância, já que em causa está o reforço da segurança e a salvaguarda das populações.
8- O PSD/Madeira só pode, assim, condenar esta forma de fazer política que brinca com as pessoas, que engana e que finge dar e tira com uma ligeireza atroz.
9- Não pode também deixar de exigir ao PS/Madeira e ao emissário principal de António Costa, agora transvertido de candidato a presidente do Governo Regional, que venham prestar contas aos madeirenses.
10- Para quem prometia murros em Lisboa, rapidamente os converteu em abraços e sorrisos, dada a ausência de posição relativamente a esta falta de respeito contínua para com os madeirenses.
11- Na política não vale tudo nem a solidariedade deve ser usada para estes esquemas partidários, que suportam a agenda do atual Governo da República, sustentado pelo PS, pelo BE e pelo PCP.
Funchal, 30 de junho de 2018
O Secretário-Geral do PSD/Madeira
Rui Abreu