• banner2018.jpg
  • bannerSItePSDMconselhoOut2017_5.jpg
  • bannerSItePSDMconselhoOut2017_1.jpg

A deputada à Assembleia da República Sara Madruga da Costa participou como oradora numa conferência sobre o Dia Internacional da Mulher.

A iniciativa realizou-se na Faculdade de Direito de Lisboa, in Memoriam da prof. Dra. Isabel Magalhães Collaço, primeira mulher a doutorar-se em Direito em Portugal. Para além da deputada madeirense, integraram o debate as professoras da Faculdade de Direito de Lisboa, Maria Fernanda Palma, (segunda mulher a doutorar-se em Direito em Portugal) e Ana Maria Guerra Martins, ambas ex-juízas do Tribunal Constitucional, Susana Videira, Sílvia Alves e Dulce Rocha, Presidente do Instituto de Apoio à Criança.

Entre outros temas, foi abordada a igualdade de direitos, a discriminação da mulher em tempos de crise e a participação política feminina.

Coube à deputada Sara Madruga da Costa, uma das sete cabeças de listas femininas às últimas eleições legislativas nacionais e a primeira cabeça de lista mulher eleita pela Região Autónoma da Madeira, falar da participação política no feminino.

Pela primeira vez, a XIII legislatura da Assembleia da República, é composta por um terço de mulheres, o que revela o aumento da participação política das mulheres também no parlamento.

A deputada saudou em primeiro lugar o exemplo de determinação e persistência da prof. Dra. Isabel Magalhães Collaço, primeira mulher a doutorar-se em Portugal em 1954, que será para sempre recordada como uma grande figura do Direito e da investigação jurídica.

“Ainda existe um longo caminho a percorrer na igualdade de género e nos direitos das mulheres”, referiu Sara Madruga da Costa, sublinhando que “as mulheres continuam inexplicavelmente a ganhar menos do que os homens, a ter dificuldades, por exemplo, a lecionar nas universidades como professoras auxiliares, apesar de mais de metade dos recém doutorados em Portugal serem mulheres, ou a aceder a cargos de chefia e liderança nas empresas”, disse.

“Por isso, nunca é demais, falar e refletir sobre estes temas. Nunca é demais defender a necessidade de melhores condições para as mulheres, de reclamar por um maior investimento nas infra-estruturas de apoio às famílias, por mais medidas de incentivo à natalidade e de proteção à maternidade, de pugnar pela eliminação da desigualdade salarial entre mulheres e homens”, referiu Sara Madruga da Costa