• bannerNewsPSDclaudia.jpg
  • slideCampanha3.jpg
  • slideCampanha2.jpg
  • slideCampanha1.jpg

Os Deputados do PSD/M na Assembleia da República denunciaram, hoje, junto ao Aeroporto Internacional da Madeira, os preços vergonhosos que estão a ser praticados, concretamente pela TAP, nas ligações aéreas entre a Madeira e o continente português.

Preços inaceitáveis que Paulo Neves criticou, fortemente, esta manhã, afirmando, a este propósito, «que o Governo da República e a TAP estão a atingir o limite da decência, quanto aos preços das viagens e nós, madeirenses, estamos a atingir o limite da paciência».

Recordando que o PSD tem denunciado, ao longo dos últimos quatro anos, os preços altos e a burocracia de todo o sistema, tanto na Madeira quanto a nível nacional, na Assembleia da República, o deputado social-democrata critica a inação e a falta de resposta do Estado Português e lamenta que nada se faça para ultrapassar o problema.

A verdade é que, contrariamente a esta postura, o PSD-Madeira tem feito tudo para minimizar esta situação. O Governo Regional tem igualmente denunciado e, agora, até já adianta o dinheiro das viagens dos estudantes para facilitar a burocracia que outros alimentam, disse.

A par de Antonoaldo Neves, «nós responsabilizamos claramente António Costa por esta situação, o primeiro-ministro e líder do partido Socialista é o grande responsável por um problema que já se arrasta há quatro anos», reforçou Paulo Neves, acrescentando que a culpa é também dividida entre o partido Socialista, o partido Comunista e o Bloco de Esquerda, forças partidárias que sustentam a geringonça.

O deputado social-democrata informou, ainda, que deram entrada, na Assembleia da República, duas perguntas regimentais ao Governo: a primeira a perguntar se o Governo da República tem consciência dos preços que estão a ser praticados, nesta linha, concretamente agora, na altura da Páscoa e, a segunda, sobre o que tenciona fazer. Uma situação que ainda se agrava mais dado que a TAP, de forma inaceitável, decidiu não reforçar, este ano, o seu número de voos para a Madeira nesta quadra, ao contrário do que sucede sempre que existem alturas especiais, repudiou.