• 1bannerSitePSDM19jun2018.jpg
  • 35227974_10216705850468501_2142540222246682624_n.jpg
  • bannerSitePSDM23mar2018rui.jpg
  • topofaceCompromissoMadeira2018

“O governo da República é rápido a prometer, mas tarda em resolver” referiu a deputada Sara Madruga da Costa esta tarde numa conferência de imprensa na Assembleia da República, a pretexto da apresentação de uma iniciativa legislativa do PSD/M que exige à República que inicie em 2018 o investimento tecnológico na RTP - Madeira.

“Passa-se na RTP-Madeira o mesmo que com o financiamento do novo hospital, com a revisão das taxas de juro, subsídio de mobilidade e com o pagamento das dívidas, são três anos de promessas de investimento sem qualquer resultado ou concretização efetiva por parte do governo central”

“Ainda esta semana quer na visita à Madeira, quer no debate quinzenal, o Primeiro Ministro voltou a comprometer-se na resolução de diversos assuntos pendentes, sem no entanto passar das palavras aos actos” disse Sara Madruga da Costa.

A deputada garante que os deputados do PSD/Madeira estão atentos e que continuarão a exigir que a República cumpra e concretize todos compromissos assumidos com os madeirenses. É esse o objetivo, refere Sara Madruga da Costa, da iniciativa agora apresentada “ exigir à república o cumprimento de mais uma promessa que continua por cumprir: o investimento tecnológico na RTP-M”.

De acordo com a deputada social-democrata “há três anos que o governo da República e o conselho de administração da RTP prometem iniciar o investimento tecnológico na RTP - Madeira e continuam sem fazê-lo apesar de já terem investido cerca de 3,6 milhões de euros na RTP – Açores. É urgente iniciar em 2018, o investimento e a renovação tecnológica na RTP- M. Não podemos aceitar que a RTP–Madeira seja o único centro do país ainda a funcionar de forma analógica quando todos os outros já são digitais e com o equipamento mais antiquado e desadequado que existe no país”.

Para Sara Madruga da Costa, “este é mais um episódio do conhecido folhetim das promessas por cumprir da república que já dura há três anos. É preciso colocar um ponto final nestas promessas” e por isso assegura “vai continuar a pressionar o governo de António Costa a concretizar e a resolver todos problemas pendentes.”