• 1bannerSitePSDM23junCOmpromissoCanico2018.jpg
  • 35227974_10216705850468501_2142540222246682624_n.jpg
  • bannerSitePSDM23mar2018rui.jpg
  • topofaceCompromissoMadeira2018
Notícias
  Segunda, 2 Novembro 2015

O presidente do PSD Madeira esteve hoje na sede do partido em Santana para agradecer aos militantes a demonstração de força nos últimos nove meses. Neste período, salientou Miguel Albuquerque, foram conseguidos dois grandes objetivos. O primeiro era o de vencer as eleições regionais, em circunstâncias muito difíceis, com maioria absoluta, numa altura em que a Madeira ainda está sob o Plano de Ajustamento Financeiro, com os sacrifícios que foram impostos aos madeirenses, O segundo, o de vencer as eleições nacionais. Também neste último ato eleitoral, sublinhou Miguel Albuquerque, o panorama não era fácil. O PSD herdou uma situação de falência e teve de ser sujeito a um resgate financeiro. Quem teve a missão de salvar Portugal da bancarrota foi o PSD, que teve de tomar medidas difíceis.

O presidente do partido referiu ainda que, na Madeira havia um problema agravado, havia um desfasamento dos militantes com o partido ao nível nacional e havia também um divórcio entre as políticas adotadas na Madeira e as adotadas no continente.

Ainda assim, o PSD venceu as eleições porque os madeirenses perceberam essa missão patriótica que teve de ser feita.

Neste momento, afirmou Miguel Albuquerque, temos, na Região, um governo com linha de rumo e um partido mobilizado.

O presidente do PSD Madeira salientou que em pouco tempo de Governo foram resolvidas questões muito importantes para a Região. 
Havia a necessidade de garantir para a Madeira a sustentabilidade da dívida pública e foi conseguida a prorrogação do prazo de pagamento em 7 anos, o que significa menos 24 milhões por ano.

Foram também desbloqueadas as verbas do fundo de coesão e resolvida a questão do regime do Centro Internacional de Negócios e, com isso, houve um aumento de mais 300 por cento do registo internacional de navios.

Na área social, foram estabelecidos protocolos para reforçar as verbas da segurança social e decidido avançar com a construção do novo hospital. Um compromisso que ficou inscrito como projeto comum de interesse nacional no programa da coligação.

Além disso, foram criadas as condições para garantir financiamento da banca, pensando nas necessidades financeiras do próximo ano. Tudo isto sem aval do Estado, o que atesta a credibilidade alcançada pela Região.

Para o futuro, adiantou Miguel Albuquerque, a Madeira precisa de trilhar um caminho de sustentabilidade económica e apostar nas questões sociais, acrescentando que já  foram dados passos para reduzir as listas de espera.

Além de ser assegurado o financiamento para a saúde e educação, Miguel Albuquerque afirmou que as prioridades vão para a aposta no tecido produtivo.
Nesse sentido, já foram realizadas várias sessões dirigidas aos empresários, que serão repetidas nos restantes concelhos. Deverão ainda ser  realizadas outras relacionadas com o PRODERAM, através do qual poderão ser garantidos fundos que poderão ser aproveitados pelas autarquias locais.

Disponibilizando-se para responder a perguntas, Miguel Albuquerque foi questionado sobre o ponto da situação da Via expresso São Jorge/ Ponta Delgada, tendo afirmado, que apesar desta ser uma das três obras prioritárias para a Madeira, neste momento não está em condições de avançar com prazos. Tudo irá depender da forma como serão consolidadas as finanças públicas e também das medidas a adotar ao nível nacional.