• bannerSitePSDM_CM.jpg
  • bannerNewsPSD21set3.jpg
  • 35227974_10216705850468501_2142540222246682624_n.jpg
  • bannerSitePSDM23mar2018rui.jpg
Notícias
  Quinta, 20 Setembro 2018

Miguel Albuquerque apresentou hoje, quarta-feira, uma proposta que irá simplificar a mobilidade aérea para os estudantes madeirenses. As famílias vão deixar de adiantar as verbas das viagens entre a Madeira e o território continental, e quem vai esperar pelo reembolso é a Região.

A partir de novembro os universitários madeirenses que estudam fora da Região têm direito a quatro viagens de ida e volta, por ano letivo, pagando apenas 65 euros por cada, tendo como limite os 400 euros. O restante valor será adiantado pelo Governo Regional.

Acima dos 400 euros, a verba remanescente, como está definido no subsídio de mobilidade, será responsabilidade das famílias. Uma situação de fácil solução, “uma vez que os estudantes normalmente marcam as viagens com antecedência”, lembraram Pedro Calado (vice-presidente) e Jorge Carvalho (secretário regional da Educação) durante a conferência conjunta com o chefe do executivo madeirense, que decorreu no Salão Nobre do Edifício do Governo.

O próximo passo, será negociar com as agências de viagens para que no início de novembro o projeto já esteja no terreno.

O presidente do Governo Regional da Madeira criticou a falta de resposta do Governo Central, sublinhando não entender o silêncio de António Costa no que respeita à mobilidade dos madeirenses. “A TAP é companhia nacional, com maioria de capitais públicos. Logo, o Estado, como sócio maioritário, já deveria ter terminado com este escândalo, com estes preços pornográficos praticados pela companhia de bandeira nacional”, criticou.

Para Miguel Albuquerque a Região e os madeirenses não podiam continuar à espera que o Estado cumprisse com as suas obrigações no que respeita aos princípios da coesão social e da continuidade territorial. Assim, a Região avançou com uma medida que irá beneficiar cerca de 7.000 estudantes.

Outra das vantagens neste processo é que as famílias já não precisam de ficar à espera em filas à espera de reembolsos, destacou o governante.

Por seu turno Pedro Calado elogiou o papel desempenhado pelos CTT em todo este projeto.