• 1bannerSitePSDM23junCOmpromissoCanico2018.jpg
  • 35227974_10216705850468501_2142540222246682624_n.jpg
  • bannerSitePSDM23mar2018rui.jpg
  • topofaceCompromissoMadeira2018
Notícias
  Sexta, 22 Junho 2018

Nunca a Câmara Municipal do Funchal cobrou tantos impostos diretos e indiretos aos munícipes como em 2017. No entanto este dinheiro não foi devolvido à população, nem tão pouco foi investido em projetos decisivos para o futuro da Cidade.

A constatação é do vereador do PSD na CMF, Jorge Vale, no dia em foram apreciadas as contas consolidadas da Autarquia em Reunião de Câmara, e que mereceram a abstenção dos sociais-democratas.

Jorge Vale defende a devolução de dinheiro à população, já que a Autarquia obteve resultados positivos no ano passado de 3 milhões de euros, e tem dinheiro em caixa no valor de 6,3 milhões de euros, que poderão ser utilizados de imediato.

Por um lado defende um aumento na devolução do IRS. “Se a Câmara acolhesse a proposta do PSD, as famílias poderiam receber quatro vezes mais IRS do que aquilo que recebem. Por exemplo uma família que recebe 60€ poderia estar a receber 240€, o que seria um aumento substancial ”.

Por outro lado Jorge Vale alertou a Autarquia para a urgência na reparação da rede de água potável. “A Câmara gasta cerca de 8 milhões de euros todos os anos para adquirir água que depois fornece aos munícipes. A perda de água na rede situa-se nos 60%. Seria fundamental e de bom-senso que a Câmara investisse na recuperação da rede de distribuição de água para evitar essas perdas, que significaria uma redução na tarifa cobrada aos munícipes”.

O vereador questiona, então, “Porque é que o dinheiro que está disponível para a Autarquia não é aplicado em benefício direto dos munícipes?”, sublinhando que a população aguarda por respostas do presidente da CMF.

“A população vê que a reabilitação urbana tarda em acontecer, que há inúmeras lojas degradadas no centro da Cidade, que existem incentivos para o comercio local, que a requalificação das zonas altas é inexistente, e que questões básicas como a repavimentação das estradas ou o investimento nas redes de água ou na ETAR não acontecem.”

Neste sentido, relembra ao “senhor presidente de Câmara que as promessas apresentadas são para cumprir e que os munícipes solicitam uma intervenção rápida para solucionar todos estes problemas que existem no Concelho.”