• bannerNewsPSD16nov.jpg
  • bannerSitePSDMconclusoes.jpg
  • bannerSitePSDM23mar2018rui.jpg
Notícias
  Terça, 5 Junho 2018

Os vereadores do PSD exigem à Câmara Municipal do Funchal que realize as obras prometidas para a ligação de troços e para a extensão da Promenade/Ciclovia da Estrada Monumental até a Avenida do Mar, acusando o presidente do Município de não ter realizado nenhuma obra estruturante para a Cidade.

“A promenade, localizada na nossa frente mar, é uma via de extrema importância para o turismo, mas especialmente para população. Basta vermos as centenas de pessoas que utilizam diariamente a promenade para realizar a sua prática desportiva. Por isso é importante que o Município cumpra aquilo que prometeu”, frisou Rubina Leal.

A Vereadora do PSD lembrou que, em Setembro de 2014, o presidente da Autarquia afirmou em relação a esta via: “não podemos ficar por aqui”, dizendo ainda que iria realizar obras para ligar dois troços da ciclovia e estendê-la até a Avenida do Mar.

Lembrando que a Promenade e todos os troços existentes foram obras realizadas durante as vereações lideradas pelo PSD, um Partido focado na realização de obras estruturantes na Cidade para benefício da população e do turismo, Rubina Leal constata que, com as vereações da Coligação, esta obra, tal como tantas outras, não passaram das intenções e ficaram mais uma vez na gaveta.

“Como se pode verificar esta é mais uma obra que ficou pelo caminho. É mais uma obra anunciada e não realizada por este executivo. Isto demonstra a inércia e o abandono a que este Município votou a Cidade, numa obra desta envergadura e com a importância que tem para toda a população e todos os turistas que nos visitam”, acentuou.

Rubina Leal afirma que esta é mais uma prova que o presidente da CMF não foi capaz, durante os últimos cinco anos, de realizar nem dar continuidade a uma única obra estruturante para a Cidade. “Não existe promenade com ligações nem com extensões. Não existem reabilitações em lado nenhum. Não existe nada, a não ser anúncios constantes e obras que não encontramos.”