• 1bannerSitePSDM19jun2018.jpg
  • 35227974_10216705850468501_2142540222246682624_n.jpg
  • bannerSitePSDM23mar2018rui.jpg
  • topofaceCompromissoMadeira2018
Notícias
  Quinta, 24 Maio 2018

O PSD exige à Câmara Municipal do Funchal (CMF) a construção do passeio pedonal que deverá ligar Santo António a São Martinho, uma obra prometida pelo executivo autárquico em 2014 que ficou pelo caminho.

“Foram colocadas placas sinalizadoras junto ao Centro de Saúde de Santo António, com o projeto do passeio pedonal. Aquilo que permanece são as estruturas metálicas desta sinalética. Já a concretização do passeio pedonal que iria ligar Santo António a São Martinho não passou do papel, com este projeto a ser atirado para a gaveta”, disse a Vereadora do PSD na CMF.

Rubina Leal lembrou que em 2014 o presidente da CMF anunciou que o percurso entre o Centro de Saúde de Santo António e o Centro Cívico de São Martinho estava definido e iria ser devidamente sinalizado. O executivo disse ainda que os passeios iriam ser regularizados e os automobilistas iriam ser sensibilizados para a passagem de peões. “Como se pode verificar aquilo que ficou desta promessa foram apenas as placas”, disse.

Este seria o primeiro percurso integrado da anunciada rede municipal de percursos pedestres prometida em 2014, explicou a vereadora social-democrata, constatando que a “Câmara inaugurou apenas a placa de uma obra que nunca saiu do papel.”

Para Rubina Leal é “inadmissível” que um presidente de Câmara que já vai no segundo mandato não tenha realizado nenhuma obra estruturante no Município. “Temos um presidente que faz anúncios sobre anúncios, e até o momento não concretizou uma única obra estruturante no Concelho.”

Por isso lembrou a importância da criação de um percurso pedonal que possa servir a população, uma vez que este trajeto é muito utilizado pelas pessoas das duas freguesias. “Santo António é uma das freguesias mais populosas do nosso Concelho e é importante oferecer condições às pessoas que passam diariamente neste trajeto, que tem alguns troços de difícil circulação entre peões e viaturas”.

Por isso Rubina Leal questiona: “Há alguma razão para que o executivo municipal não cumpra com os compromissos assumidos em 2014?”