• bannerNewsPSD8dez.jpg
  • bannerSitePSDMconclusoes.jpg
  • bannerSitePSDM23mar2018rui.jpg
Notícias
  Sexta, 13 Abril 2018

A abertura de um balcão dos Correios na Junta de Freguesia de Santo António implicou a informatização dos serviços e a dotação de uma funcionária para prestar esses mesmos serviços com o apoio financeiro dos CTT.

A solução encontrada pela Junta em parceria com os CTT foi apresentada hoje, em conferência de imprensa, pelo deputado do PSD na Assembleia da República e pelo presidente da Junta de Freguesia local, Rui Santos, que sublinhou o “passo enorme” dado na resolução do “grande problema” criado com o encerramento da estação do Caminho de Santo António.

No entanto Rui Santos confessou estar preocupado com o problema dos CTT, ao contrário de outros autarcas. “Não somos como alguns que se preocupam mais em resolver os problemas que não são da sua competência, em vez de governarem as suas autarquias”, sublinhou.

Uma posição reforçada pelo deputado do PSD na Assembleia da República, Paulo Neves. Elogiando o trabalho “extraordinário” feito por Rui Santos, Paulo Neves alertou que há alguns autarcas que se põem em “bicos de pés” e “perdem o bom senso”.

“Há pessoas que querem ser mais do que aquilo que são, mas não querem ser aquilo que deviam de ser”, observou o deputado social-democrata, sublinhando que os autarcas são aqueles que resolvem os problemas das populações que representam.

“Rui Santos é um modelo de autarca”, ao contrário de outros que fazem “coisas que não são chamados a fazer, em vez de fazerem aquilo que é a sua responsabilidade”, ultrapassando a esfera para a qual foram eleitos.

No caso dos CTT, Paulo Neves sublinhou que a solução só foi possível graças à estratégia “inteligente” do presidente da Junta de Freguesia de Santo António que levou o caso à Assembleia da República, pressionou o conselho de administração dos CTT a nível nacional e teve boas conversas com os responsáveis dos CTT a nível regional.

“Ou seja, fez aquilo que se espera de um bom autarca, que é defender os interesses daqueles que vivem na sua autarquia.”