• banner2018.jpg
  • bannerSItePSDMconselhoOut2017_5.jpg
  • bannerSItePSDMconselhoOut2017_1.jpg
Notícias
  Quinta, 11 Janeiro 2018

Rubina Leal questionou hoje o presidente da Câmara Municipal do Funchal (CMF) sobre os programas de habitação negociados ontem com o Governo Central, interrogando qual o real valor que a Autarquia irá investir na habitação social e como está a decorrer o ‘Programa Amianto 0’.

A vereadora social-democrata lembrou que o autarca anunciou em outubro de 2016 o apoio do Governo Central para a requalificação dos bairros sociais no valor de 28 milhões de Euros, ficando agora sem entender o destino desse montante face ao anúncio da alteração dos programas habitacionais.

“Em outubro de 2016 foi anunciado contactos que existiram entre este Município e o Governo Central e sobre a atribuição de 28 milhões de euros para essa reabilitação. Ficamos sem perceber se existem novos programas e novas verbas, o que será feito ou se chegarão esses 28 milhões de Euros.”

Rubina Leal espera que os apoios do Governo da República para a habitação cheguem a toda a Região, abrangendo não apenas o Funchal mas também os outros municípios bem como o Instituto da Habitação da Madeira, para possibilitar a reabilitação de todos os bairros.

Referindo-se à reunião mantida entre a CMF e o Governo Central, disse que a alteração dos programas de habitação vão ao encontro daquilo que é defendido pelos sociais-democratas há muito tempo. “Os programas existentes não funcionam, têm que ser alterados”, alertou, têm que “facilitar e devem existir verdadeiramente não só para as populações mas também para requalificar os bairros sociais.”

A vereadora do PSD questionou ainda o presidente da CMF sobre o andamento do Programa ‘Amianto 0’, uma das principais bandeiras deste executivo durante mandato anterior.

“Questionamos sobre o que foi feito no anterior mandato sobre o ‘Amianto 0’ e a resposta é que no anterior mandato não foi efetuado. Aquilo que está a ser feito é, sim, neste momento a requalificação de alguns bairros sobretudo para realojar as pessoas”, concluiu.