• bannerNewsPSD21set3.jpg
  • 35227974_10216705850468501_2142540222246682624_n.jpg
  • bannerSitePSDM23mar2018rui.jpg
  • topofaceCompromissoMadeira2018
Notícias
  Quarta, 15 Novembro 2017

 ‘Lembrando o Dia da Diabetes – É possível prevenir a epidemia?’, foi o tema da palestra promovida ontem pelos vereadores sociais-democratas à Câmara Municipal do Funchal, no Gabinete da Vereação do PSD, que contou com a presença do orador e médico endocrinologista, Silvestre Abreu.

Rubina Leal chamou a atenção para as competências da Câmara Municipal do Funchal (CMF) na área da Saúde, defendendo que a Autarquia deve desenvolver um trabalho contínuo e regular na promoção da saúde e na prevenção das doenças como a diabetes. “A prevenção é a palavra de ordem”, realçou.

“A Câmara Municipal do Funchal dispõe de espaços e estruturas, nomeadamente promenades, centros comunitários, ginásios municipais, muitos deles iniciados com as vereações do PSD, que foram criados com o objetivo de promover a saúde e os hábitos de vida saudáveis da população”, lembrou a vereadora social-democrata no Dia Mundial da Diabetes.

Considerando inadmissível que actualmente haja pessoas a morrer devido à diabetes, Rubina Leal questionou o presidente da CMF sobre as actividades e planos desenvolvidos pela Autarquia no âmbito de promoção para a saúde e prevenção de doenças.

“A seu tempo vou questionar o senhor presidente da Câmara sobre os programas existentes na área de promoção da saúde, uma vez que esta é uma das competências do Município e não uma competência exclusiva da Saúde”.

Silvestre Abreu subscreveu o ponto de vista da vereadora do PSD, reforçando que as autarquias têm responsabilidade na área da prevenção da diabetes.

“A diabetes é uma doença em crescendo que ameaça o desenvolvimento do nosso milénio. O problema trata-se pela prevenção, ou seja, 70% dos casos desta epidemia podem ser prevenidos por mudanças de hábitos de vida, que passam pela promoção de uma alimentação saudável, e pela actividade física.”

“Não cabe aos profissionais de saúde o papel de promover a actividade física. Cabe a toda a sociedade civil, nomeadamente as autarquias, através da criação de condições para que as pessoas no dia-a-dia tenham capacidade de fazer actividade física”, concluiu o médico endocrinologista.