• bannerNewsPSD21set3.jpg
  • 35227974_10216705850468501_2142540222246682624_n.jpg
  • bannerSitePSDM23mar2018rui.jpg
  • topofaceCompromissoMadeira2018
Notícias
  Segunda, 30 Outubro 2017

O Grupo Parlamentar do PSD lamentou hoje que o Orçamento do Estado tenha mais uma vez desconsiderado a Madiera no que se refere à construção do novo hospital. Numa iniciativa realizada junto ao terreno onde será construída esta nova infraestrutura de saúde, Carlos Rodrigues lembrou que, por diversas vezes, o primeiro-minsitro, António Costa, afirmou que apoiaria o novo hospital da Madeira, salientando mesmo que era um projeto de interesse comum e de cariz nacional. "Acontece que, da análise que nós podemos fazer dos dois últimos orçamentos de Estado, essas promessas não se materializaram", afirmou Carlos Rodrigues. O deputado do PSD lembrou que, no Orçamento de 2017, apenas houve referência à constituição de um grupo de trabalho, cuja vontade de constituir era tanta, mas que apenas serviu para "protelar e adiar as decisões" e só veio a ser formalizado 11 meses depois da sua inscrição no orçamento. Além disso, os dois representantes do Estado nesse grupo de trabalho são pessoas que fizeram parte do Conselho de Finanças Públicas, o mesmo que chumbou o novo hospital da Madeira como projeto de interesse comum, o que "é revelador das reais intenções e da vontade do Estado Português em apoiar este projeto na Madeira". Já para 2018, sublinhou o deputado social-democrata, "voltamos a verificar que o Orçamento Geral do Estado não traz qualquer referência ao novo hospital da Madeira, o que, para além, do desalento, representa a defraudação das expetativas e dos direitos, inclusivé, do povo da Madeira". Ou seja, salienta Carlos Rodrigues, as promessas que são feitas, quer pelo primeiro-ministro, António Costa, quer pelos responsáveis do PS e representantes no Parlamento Nacional acabam por resultar em "mentira". Além desta questão do novo hospital, o deputado recorda que não há qualquer referência ao pagamento das dívidas dos subsistemas de saúde que ascendem já a mais 16 milhões de euros e referem-se à prestação dos cuidados de saúde que é feita aos agentes da PSP, militares da GNR e ADSE.